VENCEU A LOCOMOTIVA DE BAURU

 

 

No encontro entre locomotivas, com campanhas bem distintas no Grupo 2 da Copa Paulista, a Maquininha Vermelha levou a melhor, graças a um segundo tempo aguerrido e espetacular dos jogadores, com direito a virada sobre a líder no estádio Alfredo de Castilho.

Invicto há quatro jogos (3 empates e 1 vitória), o Norusca enfim conseguiu sua segunda vitória neste campeonato. E quem diria que a vitória viria contra a poderosa AFE – Ferroviária, até então invicta, líder absoluta do grupo e já classificada, mas veio, o Alvirrubro se superou e deixou o grupo 2 totalmente embolado, e enfim tirou o Norusca da amarga lanterna, agora com 9 nove pontos e na 5ª colocação.

 

A Partida

Mais uma vez a partida começou morna, mas ainda assim quem chegava mais ao ataque era o Noroeste, que em duas oportunidades quase chegou ao gol com Renatinho, mas no seu primeiro ataque após cobrança de escanteio, quem abriu o placar foi Higor Miritão para a Ferroviária de Araraquara, a bola ainda desviou na defesa e matou o Cairo.

No fim da primeira etapa, o clima não era nada bom, a equipe parecia totalmente entregue, e só esperava o tempo passar para consolidar mais uma derrota, os torcedores na maioria desacreditada, vaiou a equipe na saída para o vestiário, e ainda pediu que os jogadores honrassem a camisa do centenário alvirrubro.

O técnico Betão Alcântara, também sentiu o mal primeiro tempo da equipe. “No primeiro tempo nossa equipe, taticamente, esteve abaixo do que estamos acostumados a jogar. O clima no intervalo era extremamente triste, porque acreditávamos que poderíamos fazer um primeiro tempo melhor e ter ido para o vestiário com vantagem. Mas fizemos o papel ali de erguer o grupo, dar moral e resgatar a confiança. E isso foi fundamental. Depois fizemos algumas mudanças táticas, todas ofensivas, colocando o meia Oliveira, o Gabriel Esteves e o Daniel Bueno. No segundo tempo fomos superiores e fizemos os dois gols merecidamente”.

 

foto: arquivo pessoal.

A VIRADA

O que aconteceu nos 15 minutos de intervalo, não sabemos, mas deu certo, a equipe voltou com espírito completamente diferente, e bem melhor, sabendo que só a vitória interessava, e que não seria um desafio fácil, muito pelo contrário. E mesmo assim a equipe não amoleceu e foi pra cima. Betão colocou Leandro Oliveira, que voltou de lesão.

E com esse espírito aguerrido, após escapada rápida, na direita, com o atacante Gindre triangulando passes com Rogério Maranhão e Leandro Oliveira. Gindre invadiu a área, foi ao fundo, ameaçou cruzar, mas bateu direto, 1 a 1.

Merecendo destaque Gindre está fazendo ótimas partidas, foi o terceiro gol em dois jogos, atuando mais centralizado, que comentou sobre o ótimo momento “Ficamos felizes com o resultado. Jogo difícil em uma tarde quente, que dá um desgaste maior, mas a gente treina muito e fomos recompensados hoje com a vitória. O Betão me deu muita confiança e só tenho que agradecer a Deus. Três gols em dois jogos não é fácil. Nosso time está numa crescente muito boa e vamos em busca de uma vitória na quarta-feira, contra o Red Bull Brasil, fora de casa”, comentou o atacante.
O Noroeste não parou nisso e seguiu pressionando a líder, em busca do segundo gol, demorou, mas ele veio, nos acréscimos, aos 46 do segundo tempo, após outra jogada rápida pela direita e cruzamento na área. O atacante Gabriel Esteves (que também entrou no segundo tempo) se esticou todo e estufou a rede, na raça, na vontade, explodindo os 537 torcedores em alegria e alívio. Fim de jogo Noroeste 2 x 1 Ferroviária.

foto: autorizada por torcedor.

 

O técnico Betão Alcântara, depois do jogo, esclareceu que a mudança de postura e tática determinou o resultado final. “No primeiro tempo fizemos a pressão, mas quando eles conseguiam sair dela, eles jogavam nas costas da segunda linha nossa, e isso dificultou bastante. No segundo tempo mudamos isso. O posicionamento saiu do nosso 4-2-3-1 e fizemos um 4-4-2, com duas linhas de quatro e isso mexeu com o trabalho do adversário, que buscava o jogo curto. Conseguimos adiantar a marcação e roubar as bolas. E foram nessas e outras situações que fizemos os gols”.

Noroeste

Cairo; Pacheco, Jean Pierre, Junior Campos, Alex Cazumba; Alê, Rogério Maranhão;
Hugo (Leandro Oliveira), Giovanni Pavani (Gabriel Esteves), Renatinho (Daniel Bueno), Gindre

Técnico Betão Alcântara

POR Kelly C. Janiro