Vexame é não esconder o clubismo!

 

 

Hoje fui surpreendida com o texto do senhor Paulo Cobos, um dito blogueiro da ESPN. Você o conhece? Já ouviu falar do texto? Pois bem, vamos lá.

Intitulado “O que é vexame? Ser eliminado em 'grupo da morte' ou faturar milhões e não pagar nem telhas?”, Paulo vai ao longo de seu texto, tentando justificar o fracasso rubro-negro, usando o Corinthians como escudo.

 

Clubista? Sim ou Claro? Foto: Reprodução Internet

 

É só cruzar a via Dutra e chegar no segundo clube mais popular do país”, ora meu caro, se o Corinthians é o segundo clube mais popular do país, porque em uma atitude medíocre e despreparada o senhor o aciona para falar do Flamengo? Todos sabem que o Timão não jogou a Libertadores, então porque citá-lo neste contexto? Estou tentando entender sua linha de raciocínio, aliás, não somente eu, como torcedores de outros clubes e todos chegaram à mesma conclusão: o senhor estava escrevendo com a camisa do Flamengo?

Bem meu caro, não sou jornalista, não sou redatora de um portal desta magnitude, não cobri Copa do Mundo ou Olimpíada, mas o mínimo é esconder o clubismo, é respeitar uma torcida de milhões de pessoas. O Corinthiano não é bobo, sabe bem dos problemas do clube, mas assim como eu, está estarrecido e sem entender o porquê desta sequência de ataques, para tentar justificar o vexame carioca.

O grupo do Flamengo, nunca foi da morte, muitos deram essa alcunha ao grupo do Botafogo, que curiosamente se classificou sem maiores problemas, e com uma rodada de antecedência. O clube do cheirinho, de jogadores badalados e de salarios astronomicos, amargou a 3º colocação do último Nacional, foi eliminado na fase de grupos da Liberta e só ganhou o Carioca, graças a confusa organização do torneio.

Quando fomos eliminados para o Tolima, no maior vexame de nossa história, alguém por acaso citou os calotes rubro-negro como justificativa? Ou usou o fato do Flamengo ter uma dívida bilionária para tentar esconder o péssimo jogo de Ronaldo, Roberto Carlos e companhia? Todos sabemos as respostas para estes questionamentos.

Ser eliminado num jogo em que o time partiu ganhando e precisava apenas de um empate, onde o atleta adversário saiu de campo dizendo que o zagueiro rival tentou ludibriá-lo, onde o clube investiu milhões em contratações para a competição, trazendo atletas para jogar exclusivamente o torneio é o que senão um vexame? O que Cobos esperava da torcida flamenguista? Aplausos e rosas?

O texto se desenrola de forma incoerente, tentando de todas as formas rebaixar e humilhar o Corinthians, comparando-o a pais de família, para de certa forma, abafar o que aconteceu com o time da Gávea. Comparar um time de futebol com um cidadão, qual a lógica disso?

 

“E, ao contrário de pais de família que perdem o emprego, o Corinthians não paga dívidas de milhões e tostões por causa da crise que o país sofre. (...) E mesmo não pagando os credores continua contratando, ao contrário das pessoas que não acertam suas contas e ficam sem crédito”.

 

Cobos trabalha usando a camisa rubro-negra? Foto: Espn

 

Quando Paulo diz que mesmo devendo o Corinthians segue contratando, e que os clubes ignoram e seguem negociando, ele esquece que o próprio Flamengo fez, e faz isso há anos. E pra piorar, o “exemplo de clube” é o que mais tem pendências com a previdência social, totalizando 83,8 milhões de reais, mais que o dobro do Corinthians.

Fiquei muito confusa. Não sei se o jornalista trabalha para o portal ou se para o clube carioca, afinal de contas, o que justificaria tamanho ataque voluntário ao Corinthians?

Faltou ao jornalista se preocupar com o torcedor alvinegro, pensar em nossa reação ao se deparar com tamanho disparate. O Corinthians tem dívidas, tem problemas administrativos e todos sabemos. Em rodas de futebol, todos os dias questionamos a gestão do clube e é inegável que a atual diretoria do Corinthians não representa os milhões de Fiéis que movem o clube, mas nada justifica a atitude medíocre do jornalista.

Lendo o texto só consegui pensar em menino mimado, clubista, sem percepção de futebol e que queria a qualquer custo, colocar seu time como o melhor do mundo. Paulo comparou triunfos do clube de forma indireta e diretamente, e tentou sugerir, que esquecemos dos problemas pelos títulos conquistados, o que é uma grande inverdade.

Se a estratégia era criar um escudo que abafasse a eliminação flamenguista, o jornalista só confirmou a tese de que a mídia esportiva favorece o Flamengo, sendo complacente com suas falhas.

A bancada do Flamengo sempre foi fraca, a torcida consegue ser calada dentro do Maracanã contra times bem menores, enquanto a Fiel é lembrada por seus feitos, e reconhecida como a torcida mais temida do Brasil. Nunca varremos a sujeira “para debaixo do tapete”, somos atacados diariamente  por gerar mais likes e acessos, e nosso diferencial é viver o Corinthianismo plenamente. Justamente por esse amor ao Corinthians, não poderia deixar passar tamanho despreparo profissional e fica meu humilde conselho:

 

Paulo Cobos, faça um curso de reciclagem profissional urgentemente, para quem sabe assim, aprenda a fazer uma crônica e uma crítica construtiva!


 

Por Mariana Alves, Pelo Corinthians, com muito Amor, até o Fim!