Viemos pra vencer!

 

Amanhã as 19h30 o Furacão volta a Juiz de Fora para enfrentar o Botafogo pela 3ª Rodada do Brasileirão.

Após uma derrota de goleada fora de casa para o Palmeiras e um empate polemico na Arena no domingo, o Furacão encontra forças nas manifestações de apoio para encontrar a primeira vitória no Brasileirão e deixar para trás a sina de perseguição da arbitragem.

Paulo Autuori expulso no ultimo jogo após polêmica com o juiz e 4º arbitro já sinalizou que o time que entrará em campo será os mesmos titulares que entraram em campo domingo, e são eles: Weverton; Eduardo, Cleberson, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio e Hernani; Ewandro, Pablo e Nikão; André Lima.

 

Foto: Cap oficial

Já o Botafogo que também segue sem vencer no campeonato, busca nesse jogo a recuperação. Será um jogo difícil para os dois times.

O Furacão segue com os desfalques Paulo André e Deivid que sente dores no joelho, já o lateral Léo volta a integrar o time após cumprir suspensão pela expulsão (injusta, diga-se de passagem) no jogo contra o Palmeiras.

A Arbitragem do jogo fica por conta de Dewson Fernando Freitas da Silva (PA) apita, com Márcio Gleidson Correia Dias e Hélcio Araújo Neves nas bandeiras.

Extra campo

Nessa semana o Atlético PR anunciou que o Zagueiro Vilches não terá o contrato renovado e será dispensado pelo clube. Apesar de não ser um zagueiro de Altíssima qualidade já ajudou muitas vezes o Furacão, inclusive com gol salvador nos últimos minutos, como no empate com o Sport cabeceando uma bola aos 52 minutos do segundo tempo.

foto: Terra

Fica aqui meu repúdio a diretoria pela gestão de dispensas desnecessária de jogadores, pois dispensou também o jogador Jadson que estava fazendo uma ótima campanha esse ano pelo Atlético e foi fundamental na conquista do título Paranaense.

E no inicio do ano dispensou Daniel Hernández que era muito com em cobranças de escanteio e rapidez pelas laterais.

Esperamos que o Departamento de Futebol saiba o que está fazendo e que isso seja para o bem do clube e não apenas para o EGO de certos diretores.  


Por Nay Bortolotti