Vitória maiúscula

nazario.jpg
Bruno Nazário abriu o caminho para a segunda vitória do Guarani

Foto: Daniel Chiesa/GuaraniPress

Vitória gigantesca. Para dar moral. Sempre com os pés no chão, pois o campeonato está só começando, os 2x0 em cima do Figueirense deve ser exaltado e comemorado. Foi lindo de ver o Bugre apresentando seu futebol, uma pena que o torcedor não pôde participar desse momento ao vivo. Com um toque de bola envolvente, sintonia, postura de jogo, com personalidade e acima de tudo, com o coração.

O adversário era nada mais nada menos que o líder do campeonato, tinham ainda um orçamento maior que o nosso, vínhamos de uma derrota que doeu para ser engolida na última rodada. Tudo parecia conspirar para um jogo tenso e ainda precisávamos da vitória para não deixar as coisas saírem do trilho.

Com um início de jogo arrasador, o Guarani abriu o placar logo na segunda tentativa de ataque do primeiro tempo. Leandro Santos fez um lançamento milimétrico para Nazário, ele ganhou do marcador, passou pelo goleiro Tiago Rodrigues e sem ângulo, mandou por cima de Bruno Alves. O marcador ainda poderia ter sido ampliado duas vezes, uma com o autor do primeiro gol, que após bate rebate dentro da área chutou por cima e outra com Jussani, em uma cabeçada forte que resultou em uma grande defesa do arqueiro do Figueira. O Bugre tomava as iniciativas do jogo e o ritmo incessante assustava o time de Santa Catarina, mas como tudo para o alviverde de Campinas é complicado, o Figueirense começou a gostar da partida e a encolher o Guarani no seu campo de defesa. Era nítido que o time havia caído de rendimento depois de Evandro quase ter sido expulso.

O Bugre voltou para o segundo tempo já com mudança. Vadão tirou o pendurado Evandro e colocou Denner, com isso, voltamos a marcar forte no meio campo e o jogo se equilibrou novamente. O treinador ainda teve que queimar uma substituição entre os goleiros. Saiu Leandro Santos muito gripado para a estreia de Vágner. Mais tarde, Nazário sentiu dores no músculo posterior somadas com o cansaço e pediu para ser substituído. Para o lugar dele entrou Caíque. Marque bem este nome. Ele que falhou no jogo passado, resultando no gol da vitória do Santa Cruz. O mesmo Caíque ampliou o placar no Brinco de Ouro e deu resultado final à partida, pois depois disso, o Bugre apenas controlou o resultado e passou a jogar nos contra-ataques de um Figueirense afobado.

WhatsApp-Image-2017-05-23-at-23.15.10-e1495599997633.jpg

Caíque ampliou e fechou o placar no Brinco de Ouro

Foto: Guarani F.C

Resultado importante para a sequência da competição, pois além de ser um confronto direto (no qual ultrapassamos o adversário na tabela), ainda contribuiu para a eficiência da mini-meta do Vadão.

Quero ainda abrir um parêntese. Superação foi a palavra-chave do jogo. Vadão fez as três substituições sem entrar no plano tático da equipe. A primeira, Evandro amarelado, poderia custar caro. A segunda, Leandro Santos com uma forte gripe, totalmente abatido, poderia comprometer. A terceira e última, Bruno Nazário desgastado. Ainda tinha o problema da lateral esquerda. Apenas momentos antes da partida foi divulgado quem iria ser o titular. Poderia ser Willian Rocha improvisado, o garoto Salomão ou até mesmo a entrada de Bruno Souza invertendo posição com Lenon. Vadão optou por Salomão e como foi certeiro. Excelente partida do menino, quanta frieza. Eliandro, nosso artilheiro, antes do jogo sentiu dores no joelho, mas foi para o jogo, no sacrifício. São por esses exemplos que repito: a vitória veio com o coração.

“É uma vitória das mais importantes, até pelas circunstâncias. O Eliandro sentiu no aquecimento, mas pediu para jogar. No intervalo, o Eliandro disse que estava com lesão, o Leandro Santos também estava bem debilitado. Então, nenhuma das alterações foi para melhorar a equipe, apenas para repor. Por essas e outras que foi uma grande vitória”, disse Vadão.

Agora é descansar, recuperar o desgaste físico dos dois jogos em curto período de tempo e treinar. São 10 dias até a próxima partida diante do Vila Nova no Serra Dourada. Até lá, seguimos relembrando os melhores momentos dessa vitória cirúrgica do Bugre.

 

O caminho é longo, mas estamos trilhando o caminho certo.

Hoje e Sempre Guarani!

 

Por Fernanda Martins.