VITÓRIA QUE NÃO ENGANA

Foi meio na sorte, meio no susto, mas finalmente o Bangu venceu no Campeonato Carioca. O placar magrinho, apenas 1x0 sobre o Macaé, foi o suficiente para fazer o Alvirrubro respirar aliviado na luta contra o rebaixamento e ainda ganhar fôlego para o jogo de estreia na Copa do Brasil, na próxima quarta contra o Oeste (SP). 

 

Porém, nem tudo são flores em Moça Bonita. A atuação do time ainda não convenceu, e menos ainda a postura do técnico Eduardo Allax. A apatia do treinador à beira de campo era tão nítida que os auxiliares técnicos se sobressaíam a ele no comando do time, gritando e dando instruções aos jogadores enquanto Allax falava pouco. A falta de comando ficou ainda mais clara durante as pausas para hidratação, em que os auxiliares eram os responsáveis por orientar o time, mais do que o treinador. Essa passividade incomodou a torcida, que seguiu cobrando uma atitude firme de Eduardo Allax mesmo com o placar favorável. 

 

Com os dois times já eliminados da Taça Guanabara, o objetivo principal de ambos era somar pontos para fugir da briga na parte de baixo da tabela. E o primeiro tempo foi uma boa mostra dos motivos pelos quais Bangu e Macaé se encontram nesta situação: poucos lances de perigo, muitos passes e cruzamentos errados. Mesmo jogando em casa contra um adversário em má fase, o Bangu entrou bastante recuado, com toda a marcação atrás do meio de campo. Isso dava espaço para o Macaé tocar a bola e chegar na área com uma certa facilidade - mas só chegar mesmo, porque finalização também não era um ponto forte da equipe do Norte Fluminense. Foi um jogo fraco, e o tédio só teve fim até os 25 minutos, quando Juliano recebeu de Rodrigo Lobão pela esquerda e bateu forte para o gol, abrindo o placar para o Alvirrubro. 

 

Felipe Dias e Juliano (Foto: João Carlos Gomes/Bangu)

 

No segundo tempo, pouca coisa mudou. As alterações de Allax não mexeram em seu esquema de jogo, apenas trocando algumas peças - todo o lado direito foi substituído, com Rocha no lugar de Robinho fazendo a função de ponta e Juliano improvisado de lateral no lugar de Andrey, que fora substituído pelo ótimo meia Juan Felipe. As jogadas do Macaé passaram a surgir mais daquele lado, o que até levou algum perigo para o Bangu, mas por outro lado deixou Jairinho e Dieyson mais livres para avançar pela esquerda. Aliás, essa foi uma dupla que funcionou bem hoje - poderia ter sido ainda melhor se Jairinho não apostasse todas as fichas no talento individual e soltasse um pouco mais a bola de vez em quando. 

 

Com o resultado, o Bangu termina a Taça Guanabara em quinto lugar no grupo A, mas ainda pode ser ultrapassado pela Cabofriense caso o time praiano vença o duelo contra o Resende neste domingo. O próximo desafio do Alvirrubro da Zona Oeste pelo Campeonato Carioca é no dia 08 de março contra a Portuguesa, pela Taça Rio. Mas antes disso, o time faz sua estreia na Copa do Brasil contra o Oeste, e o empate classifica o time paulista. Será certamente o maior teste de Eduardo Allax em suas duas passagens pelo Bangu como técnico, e mais ainda para o já combalido coração do torcedor banguense.

 

A partida

Bangu 1x0 Macaé - Taça Guanabara, 6ª rodada

Data e hora: 08/02/2020, às 16h

Estádio Proletário Guilherme da Silveira (Moça Bonita) - Rio de Janeiro/RJ

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo

Assistentes: Silbert Faria Sisquim e Rafael Sepeda de Souza

Bangu: Matheus Inácio; Andrey (Juan Felipe, 21'/2ºT), Rodrigo Lobão, Dante (Sidney, 30'/2ºT) e Dieyson; Felipe Dias, Juliano, Rodrigo Yuri e Robinho (Rocha, intervalo); Jairinho e Mariano. Técnico: Eduardo Allax.

Macaé: Jonathan; Luiz Eduardo, Mailson, Vladimir e Kadu (Luquinha, 11'/2ºT); Junior Santos, Gedeil (Wagner Carioca, 34'/2ºT), Julinho (Abner, 11'/2ºT) e Diogo; Rodrigo Fumaça e Alexandro. Técnico: Charles Almeida.

Gol: Juliano, 23'/1ºT (1-0);

Cartões amarelo: Felipe Dias, Jairinho (BAN); Mailson, Junior Santos (MAC)

 

Por: Gabriella Lima

 

*O BlogMec esclarece que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Blog.